Durante as atividades físicas o corpo humano está sujeito às forças de ação e reação. Em uma corrida, desde o momento em que o pé faz a ação de tocar o solo, necessariamente, haverá uma força de reação do solo em direção contrária, um impacto, com que o corpo terá que lidar, absorvendo e dissipando.

Pensem em uma mola ! Ao ser apertada acumula energia e vai querer empurrar de volta. Quando esticada acumula energia e logo vai retornar com tudo. O sistema musculoesquelético funciona de maneira muito semelhante – absorve, estica e retorna toda energia gerada pelos movimentos que acontecem em cadeias (nossos segmentos corporais – músculos, ligamentos, tendões, fáscias e estruturas articulares) de maneira integrada, interligada e não isolada.

Pois então, vamos visualizar como isso acontece na prática:

roberto
roberto-2

Repare nas fotos seguidas, especialmente o movimento do braço do jogador Roberto Carlos. Na fase de preparação do chute ele vai atrás “esticando a mola”, aproveitando o potencial da energia elástica de todas as estruturas miofasciais da cadeia cruzada anterior para retornar em um curto momento. Em milisegundos essa energia acumulada será retornada e “dissipada” para a bola com força total.

Em termos de performance, para um chute firme é fundamental uma biomecânica bem executada, aproveitando a transmissão de energia, e não só a força gerada pelas pernas (ex: músculo retofemoral).

Um dos principais problemas acontece quando este mecanismo natural e altamente eficaz não acontece. Neste caso estruturas nessa cadeia podem ser sobrecarregadas, gerando lesões.

 

O que essa ideia tem a ver com a fisioterapia ?

Essa visão muda completamente o conceito de reabilitação e prevenção de lesões.

Em primeiro lugar, o tratamento deixa de ser somente no local e o corpo passa a ser visto em cadeias interligadas.

Em segundo lugar, a análise do movimento passa a ser a principal ferramenta de raciocínio clínico e tomada de decisão.

A pergunta passa a ser: “Quais os elos fracos nessa cadeia?” e “Como posso melhorar o gestual esportivo de modo a prevenir lesão?”

 

O que você, atleta e praticante de atividades físicas pode ganhar com isso?

A AVANCE oferece a avaliação fisioterapêutica com base na análise do movimento, seja qual for o esporte – corrida, tênis, natação, vôlei, cross fit, etc – objetivando três pontos principais:

– Entender e demonstrar quais os possíveis elos fracos da cadeia. Analisamos quais os pontos vulneráveis a lesões e/ou que justificam lesões recorrentes e afastamentos dos treinos e competições.

-Definir quais caminhos serão necessários para uma conduta, baseada nos objetivos e prioridades de cada um (“o que fazer?”)

-Direcionar a conduta de exercícios para a especificidade da modalidade esportiva e das características individuais. (“como fazer?”)

 

Aqui aliamos o melhor da ciência com a prática visando resultados!

Agende sua avaliação e AVANCE!

 

Fisioterapeuta  André de Melo Andrade

 

Referência da literatura para a elaboração do texto:

Fonte: Capítulo 23 – Integration of Stresses and Their Relationship to the Kinetic Chain
Sérgio T. da Fonseca / Livro: Scientific Foundations and Principles of Practice in Musculoskeletal Rehabilitation 1ª edição (2007) – David Magee.